O PROFESSOR DE GREGO

O PROFESSOR DE GREGO Manuel Bandeira “Ciro conta que: ─ Quando X assumiu o governo do Estado, tratou logo de colocar seus amigos, que eram numerosos e andavam bem esfomeados. A mudança de política permitiu demitir muita gente, que foi substituída pela gente do novo governador. Eis que, quando já não sobrava lugarão de encher os olhos e o bolso, chegou do interior do Estado mais um amigo do governador, amigo de infância a quem era impossível deixar de atender. ─ Mas também você se meteu naqueles cafundós, nunca mais deu notícia de si, ponderou o governador. Agora os melhores lugares já estão preenchidos. Em todo o caso, vou pensar no caso. Dê-me uns dias e apareça. Três dias depois, o amigo voltou ao Palácio. Foi recebido com efusão. ─ Arranjei uma coisa ótima para você, disse o governador. Uma sinecura! Você vai ser professor de grego no Ginásio do Estado. ─ Mas eu não sei nada de grego, nem quero saber! ─ Nem precisa saber. Pela última reforma de ensino, o grego é matéria facultativa, e há dois anos não aparece ninguém para estudar grego. Portanto, tudo que você tem a fazer é comparecer no princípio do mês para receber seus vencimentos. O amigo achou ótimo e foi nomeado. Era aí por junho; até o fim do ano não houve dúvida na sua felicidade de comensal à mesa do orçamento do Estado. Mas no começo do ano seguinte principiou ele a temer que se apresentasse no ginásio algum rapazola extravagante com vontade de aprender grego. O professor ia à secretaria do Ginásio e indagava do secretário se entre os matriculados havia algum inscrito para a cadeira. O secretário, muito amável, respondia que não, mas que aqueles rapazes deixavam tudo para a última hora e era bem possível que o professor tivesse a satisfação de conseguir um aluno. Não sabia o secretário era justamente o que o professor não queria! Afinal, na véspera de se encerrarem as matrículas, surgiu um desalmado que desejava aprender grego para ler Homero no original. O professor ficou aterrado e correu para o Governador. Queria a demissão imediatamente, para não ficar desmoralizado. ─ Arranje-me outra coisa, pediu aflito o amigo. ─ Calma homem. Não vá ao Ginásio na primeira semana. Raro é o professor que vai. Até lá é possível que o matriculado desista do grego. Passe por aqui dentro de uma semana. Verei o que se pode fazer. Não foi preciso outro lugar para o amigo do governador. Ele continuou como professor de grego. O aluno é que desistiu. Isto é, não desistiu, foi preso e expulso do Estado como comunista. A notícia se espalhou e nunca mais apareceu ninguém no Ginásio com veleidades de aprender grego.

On being very lucky and a little bit spoiled

I may have been about 5 years old…

I was lying on the sofa. My dad was sitting there too, dinner plate on his lap, eyes on the TV. I guess that’s where I saw my chance…

What *IF* I would touched his plate with my toe? Could I reach it? Maybe I just needed to stretch a little more… Ha! There I was! Not so difficult!

Apart from staring surprised at my face, as if taken aback by his child, no reaction from my vater. 

Uhm… maybe I could touch the food then. Oh yes, I could.

Slap! One of my  father’s shoes hit my daring foot. Once. The plate stayed stead on his laps. My foot retreated and the tears burst out. I sobbed loudly.

My mum half told me off, half consoled me. 

This was the first — and  only time — any of my parents ever hit me.

(my mum tells me guilty robbed my father the sleep that night)

Geography or the good lesson I always forget

First grade. My dad and I had an argument about the geographical location of Portugal. I, with all my recently aquired knowledge in the first months of primary school, insisted that Portugal should be close to Brazil. We speak the same language, don’t we? I think we do… Dad said Portugal should be near to Italy somehow. The concept of a continent or the constituion of both South America and Europe — at least as I recall it — seemed to eluded us both. An atlas may have helped, but I don’t think we knew atlas actually existed. Forty years later, I’m still learning the lesson.